Imprensa

  • 09 de Setembro de 2015  -   Geral    

    Alemães buscam parcerias com médias empresas catarinenses

     5/09/2015

    Alemães buscam parcerias com médias empresas catarinenses
    05 de setembro de 2015

     

     Grupo de oito companhias alemãs da região da Bavária foi um dos destaques na Feira e Congresso de Tecnologia, Máquinas, Equipamentos, Automação e Serviços para a Indústria Metalmecânica (Intermach 2015) que se encerrou ontem, na Expoville, em Joinville. 

    Executivos dessas empresas, que são de alta tecnologia e a maioria de médio porte, ficaram satisfeitos com os negócios encaminhados apesar da crise enfrentada pelo Brasil. Mas o diretor-executivo do escritório brasileiro da Associação Alemã de Fabricantes de Máquinas (VDMA), Thomas Ayres Ulbrich, afirmou que o país tem poucas empresas de porte médio. 

    - Na Alemanha, 80% das empresas de médio porte têm até 200 empregados. Nós estamos com problemas para achar empresas que tenham o mesmo porte no Brasil. Ou são muito pequenas ou são muito grandes. Aqui no Sul há mais empresas de médio porte do que em outras regiões do país – disse Ulbrich, que também vai participar do Encontro Empresarial Brasil-Alemanha, que será do dia 20 a 22 deste mês, também em Joinville. 

    A propósito, a falta de médias empresas no Brasil ocorre em função do modelo tributário do Simples, que não incentiva o crescimento das empresas. E os alemães não são os primeiros a levantar o problema. 

    Conforme Kai Walliser, diretor de feiras comerciais da Bayern International, algumas expositoras já têm representação no Brasil, outras vieram pela primeira vez. A participação na Intermach foi para desbravar mercados, oportunidades, explicou Wolfgang Lott, executivo da Associação Alemã de Fabricantes de Máquinas (VDMA) ao destacar que o objetivo é o longo prazo.

    De acordo com Ulbrich, a crise brasileira está afetando os negócios este ano. As vendas de fabricantes de máquinas alemãs caíram de 30% a 50% no Brasil. A expectativa é de que a situação vai melhorar em 2017, afirmou ele.

    Participaram do espaço da Bayern International as empresas Lubricus Sololube Gruetzner, Haimer, PuK , Open Mind,Otto Klobe & Sohn, Steinbichler,Vischer & Bolli e Weiler.

    O mais caro do mundo

    As dificuldades para fazer negócios no Brasil, nos últimos anos, não surpreendem os alemães. Ulbrich contou que o escritório aberto pela VDMA em São Paulo, em 2013, foi o mais caro frente aos custos em outros países. A entidade abriu também unidades no Japão, China, Índia e Rússia. O preço do Brasil superou os demais.

    Investimentos

    O Brasil sempre foi um grande mercado e destino de investimentos de empresas alemãs. A maioria está concentrada em São Paulo. São mais de 200 indústrias naquele Estado.

    - A cidade industrial mais forte da Alemanha é São Paulo – brinca Ulbrich.

    Em Munique

    No jantar oferecido pela comitiva da Bavária quinta, em Joinville, o secretário Carlos Adauto Virmond sugeriu a realização de um seminário em alemão na cidade de Munique para divulgar SC na Alemanha. O objetivo será atrair empresários bávaros para visitar o Estado em 2016, ampliando os efeitos do Encontro Brasil-Alemanha.

    Na foto acima, o cônsul honorário da Alemanha em Joinville, Rodrigo Meyer Bornholdt (a partir da esqueda); diretor da VDMA da Bavária, Wolfgang Lott; cônsul da Alemanha em Porto Alegre, Robert Strnadl; prefeito de Joinville Udo Döhler; diretor de feiras da Bayern International, Kai Walliser;Thomas Ulbrich, diretor da VDMA no Brasil e o secretário de Estado de Assuntos Internacionais, Carlos Adauto Virmond.

    http://wp.clicrbs.com.br/estelabenetti/2015/09/05/alemaes-buscam-parcerias-com-medias-empresas-catarinenses/?topo=67,2,18,,,67

      Voltar